Novas sementes quilombolas em 2018

O Grupo Semente Cinematográfica iniciou 2018 cultivando a terra no mesmo território, agora em outra instituição educativa: a EMEF Lina Rodrigues do Nascimento, situada na comunidade quilombola Gurugi-Ipiranga, no Conde (PB). A convite da equipe pedagógica, o grupo desenvolve o Projeto Cinema no Lina, que consiste na implementação de uma Escola Experimental de Cinema (EEC) dentro da escola, por meio da formação de educadores, atelier de criação cinematográfica com os estudantes e práticas de cineclube. Esse trabalho foi financiado pelo programa nacional Mais Cultura nas Escolas, com o apoio da Secretaria Municipal de Educação de Conde.

Curso de formação de professores: os profissionais da escola exercitaram o cinema através da prática de dispositivos de criação cinematográfica, seguido da exibição dos trabalhos e uma roda de conversa sobre o potencial pedagógico de tais práticas (2018)

Em março e abril começamos o plantio das sementes: realizamos um curso de formação de professores, com carga horária de 24h, para apresentar a metodologia de trabalho e dialogar sobre a noção de cinema como arte na escola, estabelecendo uma prática educativa transversal e transformadora no horizonte de uma educação em direitos humanos.

“Fazer esse curso de cinema tem sido algo extremamente importante para o desenvolvimento do meu trabalho como supervisora e de acompanhamento de professores. Tenho aprendido muita coisa relacionada não só por meio da filmagem, mas também a partir da literatura disposta para nós. A questão dessa relação entre cinema e educação foi uma descoberta, de estar fazendo esse papel muito especial de se ver e como ver o outro com autonomia. Eu quero conhecer e me envolver muito mais”, explica Fátima, supervisora da EMEF Lina Rodrigues do Nascimento.

Neste período também ocorreram sessões de cineclube e encontros semanais do atelier de criação cinematográfica com os estudantes para aprimorar o sentir através de imagens, aguçar o senso crítico, a pesquisa e a produção de narrativas com o objetivo de realizar filmes de forma colaborativa.
Os meses de maio, junho e julho seguem com acompanhamento pedagógico oferecido aos professores e o desenvolvimento do filme com os estudantes, que tem como tema as águas do quilombo. A presença do projeto na escola acelerou o processo de implementação do laboratório de informática, que acolherá as ilhas de edição para os futuros cineastas mirins. A perspectiva é de que estes se tornem multiplicadores da paixão pelo cinema na escola nos próximos anos.

Ateliers de criação cinematográfica: os estudantes da escolas aprendem cinema brincando e exercitando a linguagem audiovisual através de jogos e desafios com a câmera (2018)

Com esse trabalho, o grupo Semente Cinematográfica replica, com a devida contextualização, o modelo bem sucedido aplicado na EMEIF José Albino Pimentel entre 2016 e 2017, quando criamos 7 filmes sobre o quilombo a partir do olhar das crianças. O trabalho integrou 200 estudantes, 8 educadores, além da diretoria e coordenação da escola. Depois dessa experiência, a escola mantém as atividades de cinema e se encontra em um processo de reformulação do plano político pedagógico para incluir o cinema como instrumento de mediação de aprendizagens, investigação do olhar e desenvolvimento da criatividade.

 

ESCOLAS DE CINEMA NO QUILOMBO DO GURUGI-IPIRANGA (CONDE/PB)

Para saber mais sobre o Projeto Cinema no Lina, clique aqui.

Para saber mais informações sobre a EEC da EMEIF José Albino Pimentel, clique aqui.

 

Deixe uma resposta