I Mostra de Cinema e Educação do Gurugi-Ipiranga

Em dezembro de 2017, realizamos a exibição dos filmes criados pelos integrantes da Escola Experimental de Cinema (EEC) na EMEIF José Albino Pimentel, implementada pelo grupo Semente Cinematográfica durante a segunda edição do projeto Inventar com a Diferença: Cinema, Educação e Direitos Humanos.

O evento foi nomeado de I Mostra de Cinema e Educação do Gurugi-Ipiranga pois, com a consolidação da EEC e a provável continuidade das atividades de cinema e educação no quilombo, teremos novas produções dos estudantes para exibir nos próximos anos.

A participação em peso da comunidade superou as melhores espectativas da nossa equipe, com mais de 300 pessoas presentes, que lotaram o espaço do refeitório da escola e vibraram com os filmes exibidos.

No texto abaixo, escrito no calor do momento da Mostra e divulgado no Facebook por Júnior Caroé, secretário adjunto de Educação do Conde, dá pra sentir um pouco da empolgação e alegria que contagiou todos os presentes!

***

De Júnior Caroé

O tapete vermelho, do portão a "sala" de exibição, já dava o tom dessa noite demasiadamente mágica: é coisa de cinema, de gente importante! Afinal, uma produção dessas não era para qualquer pessoa. Era para elas e eles: mães, pais, sábias matriarcas e experientes patriarcas daquela comunidade, professoras e professores, monitoras, merendeiras, outras e outros auxiliares da Escola e as nossas pequenas e os nossos pequenos estudantes da Escola Municipal José Albino Pimentel, que está localizada nos territórios quilombolas de Gurugi e Ipiranga. Essa noite foi uma celebração especial e particular delas e deles (mas, afetuosamente partilhada com todos nós). Eram Marias, Josés, Anas, Valdas, Joãos, Zefinhas e Leniras...era a comunidade toda ali (diga-se de passagem, as centenas) para se vê, se ouvir, se emocionar com as narrativas daquele território, DAQUELE QUILOMBO (que orgulhosamente enchia os olhos de todas e todos que estavam ali, inclusive os meus).

Profissionais da EMEIF José Albino Pimentel na noite de estréia dos filmes da EEC (2017)

Era o registro das brincadeiras ora deixadas de lado devido ao boom tecnológico desordenado; era a história da luta de uma gente que padeceu por muito tempo na mão dos seus algozes, mas que, ali, cantavam e dançavam o coco-de-roda para mostrar que eles, enquanto povo, sabiam se reerguer a cada decaída de sua gente; era a mostra de danças, costumes, tradições, oralidades, encontros de gerações (como foi lindo ver o nosso Grupo Clamores Antigos batendo um “lero” com os seus anciãos e anciãs”; era a vida que pulsava fortemente.

E tudo isso gravado pelas mãos das nossas e dos nossos estudantes, da educação infantil ao ensino fundamental, a partir das ações desenvolvidas pela Escola Experimental de Cinema da “Zé Albino” (como bem chamam a nossa Escola Municipal). Hoje, tivemos filmes de altíssima qualidade, produzidos pela e , sob a coordenação atenta do Grupo Semente Cinematográfica (um salve, querida Ana Bárbara e caro Felipe Barquete), em parceria com o Projeto Inventar com a Diferença: Cinema, Educação e Direitos Humanos (projeto conjunto da Universidade Federal Fluminense - UFF -, do Rio de Janeiro, e Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais | UNESCO-ONU), que contou com a participação das e dos profissionais e Escola Municipal José Albino Pimentel. Realmente, quando estabelecemos um diálogo entre o cinema e a educação, fortalecemos as redes de ações, sujeitos e relações. A consolidação da experiência que está sendo vivida na Escola José Albino Pimentel visa amplificar o acesso e o compartilhamento de saberes, promovendo a invenção de novas vias de diálogo, inclusão e construções coletivas de mundo.

Esse é um caminho. E é por ele que também vamos trilhar.

Comunidade escolar lota o refeitório da escola, que foi transformada em sala de cinema para a noite de estréia dos filmes da EEC (2017)

Fonte: https://www.facebook.com/juniorcaroe

Nota Semente

O processo de implementação da EEC foi realizado pelo grupo Semente Cinematográfica durante a segunda edição do projeto Inventar com a Diferença: Cinema, Educação e Direitos Humanos (Universidade Federal Fluminense – RJ, e Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais), e contou com o apoio do Tintin Cineclube, do Centro de Artes do Estado da Paraíba (Cearte), do Grupo de pesquisa em Jornalismo, Gênero e Educomunicação da UFPB e da Prefeitura Municipal do Conde.

Para saber mais informações sobre o projeto, clique aqui.

1 comment

Gostei muito obrigado pelas dicas, continue o bom trabalho.

Deixe uma resposta